Atividades preparatórias

Resenha

Por Maria Josefina Sota Fuentes
Responsável da EBP no VIII ENAPOL

Foi uma honra para a EBP-SP receber o Presidente do VIII ENAPOL, Ernesto Sinatra, que abriu as atividades da Seção São Paulo com sua conferência sobre os "Assuntos de família" – tema que enlaça as três Escola da AMP-América rumo a Buenos Aires, nos dias 14 e 15 de setembro, quando teremos a oportunidade de desenvolver muitas das questões com as quais Sinatra desde já nos instiga ao trabalho.

Com o subtítulo que escolheu para a sua conferencia, Do Outro ao Um… e de volta ao outro, Sinatra de entrada deu o enquadre do percurso que ele mesmo realizou, situando a orientação ética relativa aos assuntos de família que convém à psicanálise.
No discurso do analisante, nada mais familiar que culpabilizar o Outro parental pelos infortúnios do gozo, atribuindo aos pais a causa do estrago. É o que constatamos desde Freud, a ponto de Lacan dizer – seguindo a citação que Sinatra nos aporta:

Mas, o que continua sendo completamente surpreendente é que os analisantes, eles não falem senão disso (dos parentes). A observação incontestável de que o parentesco tem valores diferentes nas diferentes culturas não impede que a insistência excessiva por parte dos analisantes em suas relações com seus parentes próximos seja, ademais, um fato que o analista tem de suportar.[1]

Como situar e ultrapassar tal insistência? Que o analista, ele mesmo, não se "enrede" nos assuntos de família é a condição para que "a psicanálise baseada no Outro" dê lugar à prática da psicanálise sustentada a partir do "Um sozinho". Sinatra evoca a orientação de Jacques-Alain Miller, que destaca o esforço de Lacan em re-situar a psicanálise não mais fundamentada no Outro como destino, mas no sinthoma singular que aloja o gozo de cada um.

Se, como afirma Sinatra, "abrindo a via do sinthoma, uma vez produzido tal esvaziamento, a família advém como marcas do Outro em Um", como voltar ao Outro que não existe? Como dirigir-se ao próximo, ao semelhante? Quais os destinos dos assuntos de família ao final de uma análise?

Essas entre outras foram as perguntas levantadas por Ernesto Sinatra que, com sua presença e seu dizer, soube mobilizar várias repercussões na plateia, delineando um vasto programa de trabalho para este ano. A ele, nosso especial agradecimento.

NOTAS

  1. LACAN, Jacques. O Seminário, livro 24: L´insu que sait de l'une bévue sáile a`mourre. Inédito (tradução livre).