Livraria

Miserere, de Germán García, estará em nossa Livraria

Miserere(Mansalva, Buenos Aires, 2016)

Miserere é um romance. Mas é também poesia e sons combinados. Tal como gostava a irmã do personagem, "tão banal ela, já que preferia as canções aos livros".

Em um tempo de rodamoinho que vai e vem em um espaço argentino, pampas e cidade, bares e bunkers, Circa, El Farolito, Os leões, o herói se torna amigo de Rainer, em homenagem a Rilke. Observa entre curioso e descrente o resto dos jovens do grupo nacionalista em seus debates sobre a política e a ação e permanece lá, a partir da borda leste, dizendo a si mesmo uma e outra vez que é para garantir a si mesmo a proximidade de uma mulher, Eugenia, irmã de seu amigo. Com ela, amor, ternura, paixão, erotismo.

Um desfile de histórias do país entre os anos 55 e 62 nos quais ressoam Eichmann, Penjerek, azuis e vermelhos, Frondizi, quem diria, tentava jogar xadrez com pessoas que jogavam o truco, ou Illia, que não incomodava ninguém, mas irritava a todos. "O homem" e Framini, que dirá, vingança do peronismo.

Pátria e mulher.

Busca até as últimas linhas, de um homem, agora maior, em um território insondável.

Esmeralda Miras