Imprensa e difusão

#AssuntosEpistolares 18

Envia: Nestor Yellati (EOL)

Minha querida mãe:

Escrevo esta breve carta enquanto é impossível dormir e para te dizer que penso em você. Gostaria muito, e desejo tanto poder levantar-me, dentro em pouco, ao mesmo tempo que você e tomar meu café com leite ao teu lado. Sentir que compartilhamos nosso sono e nosso despertar dentro de um espaço comum de tempo, teria, terá para mim tanto encantamento […]

Pelo menos, estou muito bem, e ilumino minha noite com planos de existência agradáveis para você, e ainda mais unidos materialmente através de uma vida em horas comuns, nas mesmas habitações, com a mesma temperatura, em conformidade aos mesmos princípios e dentro de uma aprovação recíproca, posto que agora essa satisfação, por desgraça, nos está proibida.*

*Alusão à morte recente do Dr Proust, ocorrida no dia 26 de Novembro de 1903.

Carta de Proust à sua mãe, aproximadamente em dezembro de 1903. Publicada em Correspondencia con su madre (1887-1905), Perfil Libros, Bitacora, 1998.