Imprensa e difusão

#AssuntosEpistolares 24

Envia: Daniela Teggi

La Paix, Rodgers' Forge
8 de agosto de 1933
Towson, Maryland
Tesouro:
Importa-me muitíssimo que cumpras com tuas obrigações. Quererias enviar-me um pouco mais de documentação sobre tuas aulas de francês? Alegra-me que estejas feliz, ainda que nunca acreditei demais na felicidade. Tampouco tenho acreditado na tristeza. São coisas que vês em cima de um cenário ou na tela ou nas páginas impressas; nunca ocorrem com você realmente na vida.
Na vida, só acredito nas recompensas pela virtude (segundo o talento que se tenha) e nos castigos por não cumprir com tuas obrigações, que sem dúvida pagam-se caros. Se tem o livro na biblioteca do acampamento, pediras à senhora Tyson que te deixe dar uma olhada em um soneto de Shakespeare onde se lê o verso «O lírio que apodrece cheira pior que erva daninha»?
Hoje não tive nenhum pensamento, é como se a vida consistisse somente em inventar histórias para o Saturday Evening Post. Penso em você, e sempre de bom grado, mas se me chamas de novo de «Papaíto», levarei o gato Blanco para passear e lhe darei uma surra no traseiro, forte, seis vezes por cada vez que fores impertinente.
Isso te fará reagir?
Eu me ocuparei da fatura do acampamento.
Como um idiota, vou concluindo.
Cosas com quais preocupar-se:
Preocupa-te com a coragem.
Preocupa-te com a higiene.
Preocupa-te com a eficiência.
Preocupa-te com a equitação.

Coisas com as quais não preocupar-se:
Não te preocupes com a opinião dos outros.
Não te preocupes com as bonecas.
Não te preocupes com o passado.
Não te preocupes com o futuro.
Não te preocupes em crescer.
Não te preocupes que alguém te supere.
Não te preocupes com o triunfo.
Não te preocupes com o fracasso, a menos que seja tua culpa.
Não te preocupes com os mosquitos.
Não te preocupes com as moscas.
Não te preocupes com insetos em geral.
Não te preocupes com os pais.
Não te preocupes com os filhos.
Não te preocupes com as desilusões.
Não te preocupes com os prazeres.
Não te preocupes com as satisfações.

Coisas nas quais pensar:
O que aspiro realmente? Se comparo-me a meus contemporâneos, sou realmente boa em relação a:
a) O rendimento acadêmico.
b) Entendo realmente às personas e sou capaz de levar-me bem com elas?
c) Procuro fazer do meu corpo um instrumento útil ou estou descuidando-me dele?
Com todo meu amor,
Papai
P. S.: Minha réplica por ter-me chamado Papaíto será batizar-te com o nome Ovo, o que implica que estas em um estado muito rudimentar da vida e que poderia quebrar-te e descascar-te conforme minha vontade, e além do mais creio que é uma palavra que teria sucesso se tivesse a ideia de contá-la a teus contemporâneos. «Ovo Fitzgerald». Acreditas que gostaria andar pela vida chamando-te de «Ovo Fitzgerald» ou «Ovo Mau Fitzgerald» ou outra versão que possa ocorrer a qualquer mente fértil? Chame-me assim uma vez mais e te juro por Deus que te perdurarei o nome e terás que arranjar-te sozinha para tirá-lo. Para que meter-se em problemas?
Enfim, muitos beijos.

F. Scott Fitzgerald, Cartas a mi hija, Prólogo de Scottie Fitzgerald Traducción y notas de Albert Fuentes, Editorial Alpha Decay, Abril 2013.