Imprensa e difusão

#AssuntosEpistolares 30

Envia: Marisa Chamizo

«[…] Estás bêbada a três dias, me dizes,
quando sabes muito bem que a bebida é como veneno para nossa família.
Não somos tua mãe e eu exemplo
suficiente?
Duas pessoas que se amavam flagelando-se sem parar,
arruinando o amor que sentiam um pelo outro,
taça vazia após taça vazia,
maldições e golpes e infidelidades?

[…] Tens que retificar. Exijo-te.
Bom, digo-te. Já sei, nossa família
não está feita para armazenar
mas sim para dilapidar. Mas faz com que isto mude.
Deves fazê-lo, simplesmente. Isso é tudo!
Filha, não podes beber.
A bebida te matará. Como acabou com tua mãe,
e comigo [...]».

Poema/Carta que Raymond Carver escreveu a sua filha Christine quando ela tinha cerca de 20 anos.

Carver, R. y Adelman, B., Carver Country, Anagrama, Barcelona, 2013.